Planeta dos Macacos: A Guerra (Crítica Sem Spoiler)

05:06

"Humanos e macacos cruzam os caminhos novamente. César (Andy Serkis) e seu grupo são forçados a entrar em uma guerra contra um exército de soldados liderados por um impiedoso coronel (Woody Harrelson). Depois que vários macacos perdem suas vidas no conflito e outros são capturados, César luta contra seus instintos e parte em busca de vingança. Dessa jornada, o futuro do planeta poderá estar em jogo."

Ao longo da trama acompanhamos o drama que os humanos e os macacos enfrentam em um  conflito contante, mas quando a família do líder Caesar (Andy Serkis) é ferida a situação acaba se tornando mais pessoal. É como se tivesse atingindo o seu ápice. E a busca de um lugar seguro pelos macacos acaba se tornando ainda mais constante, uma vez que a guerra está os desgastando.

E é nesse momento crucial em que Ceasar se vê divido entre levar o seu bando para um local seguro ou procurar o coronel (Woody Harrelson) em busca de uma vingança pessoal. A guerra deixa de ser uma luta do bem contra o mal e passa a assumir um patamar ainda maior.
Em "Planeta dos Macacos: A Guerra" podemos perceber a notável evolução do personagem Ceasar, que está mais articulado, sendo capaz de falar quase como um humano. Também podemos perceber os seus sentimentos conflitantes, principalmente em relação ao coronel, e graças a tecnologia de ponta usada nesse filme podemos captar cada reação expressa no rosto de Ceasar, que é carregada de sentimento. Isso mostra o grande talento de Andy Serkis, que consegue emocionar qualquer um apenas como um olhar.

Enquanto o elenco que empresta os movimentos aos animais digitais são capazes de emocionar com apenas um olhar, o elenco humano é mostrado de uma maneira mais robótica e sem deixar transparecer seus sentimentos. Temos um vilão extremamente frio que serve para mostrar como as pessoas perderam a sua humanidade — o que é um grande contraponto com a personagem Nova (Amiah Miller), uma vez que a jovem garota possui uma condição primitiva e inocente, uma alusão ao bom selvagem; enquanto o personagem de Woody Harrelson retrata a decadência do homem civilizado. Vemos uma clara humanização dos animais e a desumanização das pessoas.
E guerra não é vista como algo glorioso para os personagens, muito pelo contrário, ela acabou se tornando essencial para a sobrevivência de uma das espécies.

O filme "Planeta dos Macacos: A Guerra" é um filme que possui excelentes cenas de ação, todas muito dinâmicas e ótimos efeitos especiais, mas o filme não para por ai sendo capaz de gerar uma reflexão. Esse foi um filme que acabou superando as minhas expectativas. Então, se você ainda não assistiu "Planeta dos Macacos: A Guerra" vá até o cinema mais próximo da sua casa!

Ficha Técnica
Título: Planeta doa Macacos: A Guerra
Duração: 2h20min
Direção: Matt Reeves
Gênero: Ficção científica, Ação, Aventura
Elenco: Andy Serkis, Woody Harrelson, Steve Zahn, Karin Konoval, Terry Notary, Amiah Miller, Judy Greer,, Michel Adamthwaite

Curiosidades:
1) Baseado no livro La Planète des Singes, de Pierre Boulle.
2) O personagem Nova é uma alusão à Nova do filme original de 1968. Ambas não falam e recebem esse nome pelos protetores.
3) Percebe-se o desenvolvimento de Caesar quando, neste filme, ele consegue falar quase como um humano.
4) Andy Serkis e Terry Notary trabalharam juntos em Kong: A Ilha da Caveira (2017).
5) O objeto em forma de "x" que os humanos utilizam para amarrar os macacos possui o mesmo design de Planeta dos Macacos (1968).

You Might Also Like

0 comentários