Resenha: Animais Fantásticos e Onde Habitam

Título: Animais Fantásticos e Onde Habitam
Autor(a): J.K. Rowling, Newt Scamander e Olivia Lomenech Gill
Editora: Rocco
Número de páginas: 160
Classificação: 5/5

Eu já tinha lido a primeira edição do livro "Animais Fantásticos e Onde Habitam", ainda quando o livro nem era muito conhecido e que nem se pensava em fazer um filme contando sobre as aventuras vividas pelo famoso magizoologista Newt Scamander. Porém, após o sucesso do filme nos cinemas o livro de "Animais Fantásticos e Onde Habitam" se tornou mais conhecido, o que ocasionou em um lançamento de uma edição nova e ilustrada. Achei um trabalho tão lindo e impecável que precisei comprar essa nova edição, afinal de contas é uma expansão com mais detalhes (rico em ilustrações) das criaturas que fazem parte do mundo bruxo.

"Aprovado pela Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts desde sua publicação, Animais fantásticos e onde habitam divertiu famílias bruxas ao longo de gerações e é uma introdução indispensável às criaturas mágicas do mundo bruxo. Agora, a obra-prima do renomado magizoologista Newt Scamander, resultado de anos de viagem e pesquisa, ganha uma luxuosa edição ilustrada. Com desenhos de Olivia Lomenech Gill, ganhadora do English Association Picture Book Award e indicada para a Kate Greenaway Medal, esta magnífica nova edição em quatro cores do clássico da Biblioteca Hogwarts apresenta uma gama extraordinária de criaturas, algumas familiares para os leitores da série Harry Potter, outras que surpreenderão até mesmo o mais ardente magizoologista amador, todas ricamente ilustradas com uma variedade de técnicas, incluindo gravura, aquarela e esboços a carvão. O lançamento nacional é simultâneo à publicação na Inglaterra e nos EUA."

O magizoologista Newt Scamander se tornou muito conhecido com o seu trabalho catalogando os animais fantásticos ao redor do mundo, uma área que até então não era explorada por muitos bruxos e que rendia algumas discussões como, por exemplo, o que é um animal? O que é considerado um ser? São essas perguntas e outras mais que Newt discute ao longo do livro (baseado em algumas decisões tomadas pelo Ministério da Magia), além de apresentar as espécies catalogadas junto com a descrição (às vezes contando como determinado animal surgiu) e o risco que elas apresentam.
"Ofereço este livro como uma simples introdução ao tesouro de animais fantásticos que habitam o nosso mundo. Oitenta e uma espécies são descritas nas páginas que se seguem, mas, não duvido que outras venham a ser descobertas, exigindo edições revisadas de Animais Fantásticos e Onde Habitam. Entrementes, acrescentarei apenas que me dá grande prazer pensar que gerações de jovens bruxos e bruxas ampliaram seu conhecimento e compreensão das feras fantásticas de que tanto gosto através das páginas deste livro".

É importante ressaltar que não é um livro que contém uma história, um enredo. "Animais Fantásticos e Onde Habitam" está mais para um livro acadêmico, com algumas descrições técnicas e até mesmo com menções a outras obras (todas fictícias e que se relacionam com a história do mundo bruxo e trouxa, é claro). É um livro que cumpre com a função de ensinar aos jovens bruxos sobre a importância de alguns desses animais, sobre como é feito para encontrá-los e até mesmo os cuidados para lidar com eles quando encontrados em uma situação inusitada.

Como uma grande fã de Harry Potter, eu fiquei muito feliz com o lançamento desse livro. Em termos de conteúdo não há nenhuma diferença se comparado com a primeira edição do livro, mas o grande diferencial dessa nova edição são as magnificas ilustrações da Olivia Lomenech Gill. Fiquei encantada com os desenhos, isso fez valar cada centavo que eu gastei nesse livro! As ilustrações são completamente belíssimas e foram ótimas para eu imaginar esses animais (antes eu não tinha muita noção como alguns deles pareciam), alguns se assemelham com animais do mundo trouxas como dodô, caranguejo, rinoceronte e leopardo, já outras são bem peculiares. Essa nova edição de "Animais Fantásticos e Onde Habitam" é uma expansão do mundo de Harry Potter, dos estudos feitos pelo Newt, então se você é potterhead compre esse livro o mais rápido possível.
  • Share

Resenha: Mindhunter

Título: Mindhunter
Autor(a): Mark Olshaker, John Douglas
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 384
Classificação: 5/5

Eu sempre tive um grande interesse em assuntos policiais, de como funciona a mente de um criminoso e eu vivo assistindo aos programas do Investigação Discovery. Então, logo me interessei por "Mindhunter" e a leitura do livro não me decepcionou, muito pelo contrário, uma vez que eu comecei a ler eu não consegui parar depois.

"Em detalhes assustadores, Mindhunter mostra os bastidores de alguns dos casos mais terríveis, fascinantes e desafiadores do FBI.

Durante as mais de duas décadas em que atuou no FBI, o agente especial John Douglas tornou-se uma figura lendária. Em uma época em que a expressão serial killer, assassino em série, nem existia, Douglas foi um oficial exemplar na aplicação da lei e na perseguição aos mais conhecidos e sádicos homicidas de nosso tempo. Como Jack Crawford em O Silêncio dos Inocentes, Douglas confrontou, entrevistou e estudou dezenas de serial killers e assassinos, incluindo Charles Manson, Ted Bundy e Ed Gein.

Com uma habilidade fantástica de se colocar no lugar tanto da vítima quando no do criminoso, Douglas analisa cada cena de crime, revivendo as ações de um e de outro, definindo seus perfis, descrevendo seus hábitos e, sobretudo, prevendo seus próximos passos.

Com a força de um thriller, ainda que terrivelmente verdadeiro, Mindhunter: o primeiro caçador de serial killers americano é um fascinante relato da vida de um agente especial do FBI e da mente dos mais perturbados assassinos em série que ele perseguiu. A história de Douglas serviu de inspiração para a série homônima da Netflix, que conta com a direção de David Fincher (Garota Exemplar e Clube da Luta) e Jonathan Groff, Holt McCallany e Anna Torv."

O livro narra sobre a carreira de John Douglas, um dos agentes mais requisitado dentro do FBI e que se tornou extremamente conhecido por seu trabalho na Unidade de Ciência Comportamental. Porém, esse sucesso foi alcançado através de muito trabalho e esforço, e em "Mindhunter" o leitor acompanha a trajetória de John, desde a sua adolescência marcada por alguns delitos até o momento em que ele resolveu ingressar no FBI.

De entrevistas a ladrões de banco para identificar os padrões que eles utilizavam para realizar os assaltos, como era feita a estratégia, John passou a desenvolver um projeto pioneiro onde começou a entrevistar assassinos em série como Charles Manson (o líder da família Manson, responsável pelos assassinatos que ficaram conhecidos como o caso Tate-LaBianca), Robert Hansen (serial killer estadunidense que matou entre 17 e 21 mulheres perto de Anchorage no Alasca), Jerry Brudos (um assassino em série americano e necrófego, também conhecido como "O Assassino da Luxúria" e "O Assassino do Fetiche de Sapatos") e Wayne Williams (um serial killer que cometeu a maioria dos assassinatos de crianças em Atlanta que ocorreram de 1979 até 1981). E através dessas entrevistas ele começou a traçar perfil de criminosos, como se entrasse na mente de um deles, explicando a compulsão que alguns tem pela matança.
“Acabei cunhando o termo assinatura para descrever esse elemento singular, essa compulsão pessoal que se mantinha estática. E o usei como algo distinto do conceito tradicional de modus operandi, que é fluido e possivelmente mutável”.

Esse seu trabalho traçando perfis foi de extrema importância uma vez que ele passou a comparar o modus operandi e as assinaturas de assassinos, podendo prever seus próximos passos e quase sempre estando a um passo a frente deles. John também definiu algumas características prévias, através de um estudo meticuloso da juventude de cada assassino, que foram determinantes para que eles se tornassem um serial killer. Um fator destacado nesses estudos foi a "tríade homicida": piromania + crueldade contra animais + fazer xixi na cama depois da infância, além disso descobriu-se também as motivações de um assassino: manipulação + dominação + controle.

Ao mesmo tempo que esse seu trabalho lhe rendeu um grande sucesso, de maneira que Douglas era chamado para das aulas sobre como traçar um perfil, palestras e sendo chamado para participar de inúmeros casos, também teve um lado negativo que afetou sua vida pessoa. Ele passou por um problema de saúde devido a exaustão do trabalho e ficou cara a cara com a morte, além disso o seu casamento também sofreu algumas sequelas devido o seu trabalho e a sua ausência em casa.

“Assassinos em série fazem um jogo muito perigoso. Quanto melhor compreendermos a maneira como jogam, maior será nossa vantagem sobre eles”.  

"Mindhunter" apresenta uma leitura muito envolvente, tanto é que eu não consegui largar o livro após começar a ler (fui obrigada a dar uma pausa na leitura para colocar em dia algumas obrigações do estágio e da faculdade). John Douglas consegue contar sobre os acontecimentos de sua vida e de seu trabalho de uma maneira fluída, que não cansa o leitor e que é recheada de detalhes. Então, para quem gosta de livros que envolvam tramas policiais ou que sente curiosidade em entender a mente de um assassino, "Mindhunter" é a opção perfeita (muitas vezes durante a leitura eu tive a sensação de estar assistindo ao Investigação Discovery, e também fiquei chocada ao saber que John Douglas havia participado de alguns casos que eu já conhecia).
  • Share

Resenha: Jogo de Espelhos

Título: Jogo de Espelhos
Autor(a): Cara Delevingne e Rowan Coleman
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 304
Classificação: 3/5

Existem alguns livros que me deixam fascinada, seja pela sinopse, pela capa ou pelo escritor. E no caso de "Jogos de Espelhos" me surpreendeu por dois motivos: a sinopse extremamente empolgante, que me deixou curiosa para descobrir um pouco mais sobre essa história e o fato da Cara Delevingne. Já conhecia o trabalho dela como modelo e atriz, então foi uma verdadeira surpresa descobrir que ela estava lançando um livro. E, no final, a leitura de "Jogo de Espelhos" foi surpreendente em inúmeros sentidos. 

"Naomi, Rose, Leo e Red são adolescentes enfrentando aquela fase em que se relacionar no colégio é tão difícil quanto encarar os próprios problemas. Red tem uma mãe alcoólatra e um pai ausente; o irmão de Leo está na prisão; Rose usa sexo e drogas para mascarar traumas antigos e Naomi se esconde atrás de peruca e maquiagem pesada. Quatro adolescentes tão diferentes viram melhores amigos quando são obrigados a formar uma banda. O que era uma tarefa chata vira a famosa e popular Mirror, Mirror. Através da música, eles encontram um caminho para encarar o mundo de outra forma.
Mas tudo desmorona quando Naomi some misteriosamente e é encontrada, dias depois, entre a vida e a morte. O acidente desestrutura a banda e, consequentemente, a vida de todos. A sólida relação de amizade que eles achavam estar construindo tinha uma rachadura, e tudo o que restam são dúvidas e vazios. O que aconteceu com Naomi? Foi um acidente ou um ataque? Por que ela fugiria e deixaria a banda para trás? Por que esconderia segredos dos seus melhores amigos? Para desvendar o mistério por trás dessa história, Red e os amigos entram em uma investigação que vai desenterrar seus próprios segredos obscuros e fazê-los confrontar a diferença entre o que eles realmente são de verdade e a imagem que passam para o mundo.
Em seu romance de estreia, a modelo e atriz Cara Delevingne revela mais um talento ao apresentar um olhar fresco e sagaz sobre questões atuais da juventude: amizade, bullying, identidade, gênero, transtornos emocionais, a influência perigosa das mídias sociais nas relações e o poder destruidor da imagem."

Para alguns jovens a adolescência é uma das melhores fases da vida, como se fosse um verdadeiro mar de rosas (cheio de festas, amizades e muita curtição), mas para outros é uma época bastante turbulenta e esse é o caso de quatro jovens: Naomi, Rose, Leo e Red. Red precisa lidar com os problemas de uma mãe alcoólica e um pai ausente; Leo leva uma vida simples ao lado de sua mãe e seu irmão mais velho está na prisão; Rose utiliza do sexo e de drogas para esconder alguns traumas antigos e não tem uma relação muito boa com sua madrasta e Naomi vive se escondendo atrás de perucas coloridas e maquiagens pesadas.

A vida caótica desses quatro parece melhorar quando eles se unem em uma banda de rock'n'roll: a Mirror, Mirror. Fi através da música que eles encontraram um modo parar ver o mundo de outra maneira, além de ganhar certa visibilidade e uma forte amizade entre todos os integrantes. Com toda certeza a Mirror, Mirror foi uma das melhores coisas que aconteceu na vida de Naomi, Rose, Leo e Red.

"Antes da banda, todos nós estávamos perdidos de algum jeito e, de repente, por algum motivo, nossa vida deslanchou. Juntos, éramos fortes, populares e rock'n'roll pra cacete. Para nós, a Naomi também se sentia assim. Achávamos que ela não precisava mais fugir. Até noite passada."
Porém, justo quando as coisas parecem estar bem um acontecimento os abala: Naiomi fugiu. Em tese isso não seria nada incomum, afinal de contas a jovem já tonha feito isso em ocasiões anteriores para poder chamar atenção. Contudo, seus amigos sabem que isso não é verdade, pois desde a criação da banda a situação tinha melhorado para eles e nos últimos dias antes de seu desaparecimento Nai parecia estar feliz, como se nada de errado lhe afligisse. Por que ela iria fugir? O que ela estava escondendo?
O rumo das investigações começa a tomar um rumo mais sombrio quando a polícia encontra Naomi entre a vida e a morte. Isso acaba sendo um choque enorme para o seu grupo de amigos, que está cada vez mais decidido a descobrir o que aconteceu com ela, os segredos que ela estava escondendo antes de seu repentino desaparecimento. Leo, Red e Rose se juntam para tentar descobrir algumas pistas e ao longo das investigações eles vão ter que ser fortes para continuarem unidos e isso acaba sendo uma verdadeira jornada para descobrirem mais sobre eles e suas amizades, afinal de contas o quão bem conhecemos as pessoas que estão ao nosso lado? 

"— Não me importa de onde as pessoas são, qual a cor da pele delas, quanto dinheiro elas têm, se gostam de homens ou mulheres, ou... ou... qualquer uma dessas merdas. Por que as pessoas não podem simplesmente ser pessoas?"

Um fator que eu gostei bastante foi a escrita, que está longe de ser algo formal e que se aproxima da linguagem de uma adolescente meio revoltada com a vida, foi uma escolha muito inteligente das palavras. E o livro é narrado por Red, que mostra o seu olhar sobre toda situação envolvendo Naomi, a situação caótica dentro de sua casa e os problemas pessoais de seus outros amigos (Leo e Rose).

E devo admitir que estava um pouco insegura com o livro, como que a Cara iria se sair com o seu primeiro romance (sei que ela escreveu junto da Rowan Coleman, mas, mesmo assim, eu tive as minhas dúvidas) e acabei sendo surpreendida. "Jogo de Espelhos" não conta uma história revolucionária e muito menos é um livro que vai mudar a vida de outras pessoas, mas para uma escritora estreante até que a Cara Delevingne se saiu muito bem. Ela em parceria com Rowan conseguiu construir uma história muito empolgante, as duas conseguiram me surpreender de maneira positiva!
  • Share